Tá curtindo a Copa, bebê?

“Você pode matar um homem, não um ideal” (Alan Moore)

V de Vergonha - Pindamonhangaba

Às vezes é preciso destruir o material para construir a essência. Pois bem, na tarde de ontem a tranquila Pindamonhangaba foi tomada por diversos “V’s” só que de vergonha. Vergonha de ter um conterrâneo no governo do estado com uma atitude passivamente agressiva (uma pessoa que solta tropas de choque a rodo da poltrona da sala de estar é no mínimo paradoxa) perante os manifestos contra a alta da tarifa no transporte público. Um descaso social abafado pela Copa das Confederações.

Confesso que minha previsão para este manifesto foi negativo, afinal, para mim o arquétipo pindense é receoso e cheio de mimimi do tipo que reclama, reclama, mas na hora H sai correndo com o rabinho entre as pernas. No entanto, ontem me surpreendi e paguei a língua: duas mil caras pintadas, cartazes e máscaras típicas de manifesto. Peguei apenas a dispersão, mesmo assim foi o suficiente para me sentir parte do movimento e registrar alguns fatos.

O Manifesto não teve nenhum estardalhaço com tropas de choque e balas de borracha. Foi bem pacífico, como disse Capitão Cavalheiro do Batalhão da Polícia Militar de Pindamonhangaba. Ele completou que aqui a polícia auxiliou na escolta dos manifestantes e apoiou em todo momento a ação, visando que eles também fazem parte do povo. Foi triste, mas não pude fazer uma filmagem com o Capitão, que por sinal foi muito atencioso e está de parabéns pelo respeito à multidão.

Enfim, para quem está participando dos manifestos, seja onde for, haja com respeito aos fundamentos dessa revolução. Vandalismo só aumenta a violência. Bancos e pontos comerciais não são obrigados e acordar estraçalhados porque um bando de marginais estavam protestando contra a alta tarifa. Qual o seu objetivo de estar na multidão?

Abaixo o vídeo que produzi com o organizador e manifestantes expondo suas opiniões sobre o “V de Vergonha” de Pindamonhangaba:

Anúncios