Careplus

 

Publicado em 25/12/2012 | Blog Careplus

O humor e a saúde

O homem é o único animal que ri. Quem disse isso foi o filósofo grego  Aristóteles, há mais de 2.000 anos. O riso é, portanto, característica própria da espécie humana, e faz parte de um intrincado mecanismo psicológico que somente começou a ser desvendado há menos de 80 anos.

Várias pesquisas vêm sendo conduzidas para entender de forma mais completa as causas e os efeitos do riso no organismo. Sabe-se hoje, entretanto, que o riso é tão importante para a manutenção da saúde quanto o sono e a boa alimentação.

Estudos diversos mostram que o riso reduz o risco de doenças cardio vasculares, previne a depressão, diminui o estresse e a pressão arterial e ajuda no combate às infecções, uma vez que fortalece o sistema imunológico.  Existem centros de pesquisa dedicados exclusivamente ao riso, como o Laugh Lab, conduzido pelo cientist e professor de Psicologia Richard Wiseman, da Universidade de Hertfordshire, Inglaterra, que chega a manter um site na Internet para a coleta de piadas. Nunca o riso foi levado tão a sério.

E, você sabia que uma boa risada tem o mesmo efeito de uma sessão de ginástica? Um ataque de riso mexe com diversos músculos do nosso corpo, como abdômen, pernas e costas. Pela dilatação dos vasos, melhora a circulação sanguínea e aumenta a taxa de oxigenação do organismo, preservando a saúde interna e tornando a pele mais bonita.

Rir de forma alegre e espontânea é, portanto, a melhor terapia preventiva contra os males da sociedade moderna.


 Publicado em 18/12/2012 | Blog Careplus

Não deixe o lazer de lado!

O lazer é importantíssimo para a manutenção da saúde e da qualidade de vida. Ele nos revitaliza física e mentalmente, melhora a nossa autoestima e nos torna mais alegres e sociáveis.

Outro aspecto importante do lazer é despertar a nossa criatividade, muitas vezes adormecida pelas atividades repetitivas, pelas preocupações e pressões do dia a dia e pelo estresse.

Nesses momentos de abandono, quando nos liberamos das obrigações de trabalho e de cuidado da família, não somente acalmamos o corpo e a mente como também recarregamos as nossas baterias e ampliamos a nossa percepção para o novo, para coisas que muitas vezes resolveriam os mesmos problemas que nos estressam e que, cegos pela correria, não conseguimos enxergar.

Para os momentos de lazer precisamos fugir totalmente da ideia da obrigação de fazer algo. Lazer acontece quando estamos a fim. Precisamos também buscar atividades que nos tragam satisfação, pelo puro e simples prazer de fazer. Sem metas, sem objetivos, sem resultados mensuráveis. Apenas estar ali, curtindo aquele momento de abandono e pura curtição.

E qualquer que seja a sua maneira de relaxar e se divertir, o importante é que haja regularidade. É preciso buscar o equilíbrio em tudo, afinal ninguém é de ferro!


Publicado em 17/12/2012 | Blog Careplus

DSTs: tipos, causas e tratamentos

Antigamente as doenças sexualmente transmissíveis eram consideradas doenças venéreas em referência à Vênus, a deusa do amor. São infecções essenciais do sexo, embora não sejam transmitidas exclusivamente pelo contato sexual. Outras formas de contágio surgem através da transfusão de sangue contaminado, do compartilhamento de seringas e também passadas pela mãe ao bebê durante a gravidez. Entretanto, o uso do preservativo em qualquer tipo de relação é imprescindível para prevenir as contaminações.

No geral, as DSTs são causadas por fungos, vírus, bactérias e parasitas que geram diferentes manifestações como feridas, corrimentos, bolhas e verrugas. O tratamento de uma DST pode acontecer de várias formas desde medicamentos via oral até procedimentos cirúrgicos. Tudo depende do tipo de doença e seu estágio. É importante saber que quando mais cedo for descoberta, mas simples é o tratamento e melhor será o prognóstico.

No caso das pessoas com vida sexual ativa com mais de um parceiro é importante que sejam realizadas consultas periódicas ao médico para manter a saúde em dia, principalmente as mulheres, pois, em certos casos, os sintomas se confundem com reações orgânicas comuns de seu organismo. Independentemente disso, o desenvolvimento das doenças causa complicações extremas como infertilidade, comprometimento do aparelho reprodutor, câncer anogenital, doenças neonatais e pode levar à morte.

Mesmo com muito esclarecimento e conscientização, as DSTs ainda geram muitas dúvidas. A doença mais divulgada é a AIDS, causada pelo HIV (vírus da imunodeficiência adquirida), que compromete o funcionamento do sistema imunológico, impedindo o organismo de se proteger das agressões externas como câncer, bactérias e outros vírus.

Abaixo segue uma relação das principais doenças sexualmente transmissíveis:

  • Cancro mole: também chamada de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se através de feridas dolorosas com base mole.
  • Condiloma acuminado ou HPV: é uma lesão na região genital, causada pelo Papilomavirus Humano (HPV). A doença é também conhecida como crista de galo, figueira ou cavalo de crista.
  • Gonorréia: é a mais comum das DSTs. Também é conhecida pelo nome de blenorragia, pingadeira, esquentamento. Nas mulheres, essa doença atinge principalmente o colo do útero.
  • Clamídia: também é uma DST muito comum e apresenta sintomas parecidos com os da gonorreia, como, por exemplo, corrimento parecido com clara de ovo no canal da urina e dor ao urinar. As mulheres contaminadas pela clamídia podem não apresentar nenhum sintoma da doença, mas a infecção pode atingir o útero e as trompas, provocando uma grave infecção. Nesses casos, pode haver complicações como dor durante as relações sexuais, gravidez nas trompas (fora do útero), parto prematuro e até esterilidade.
  • Herpes: manifesta-se através de pequenas bolhas localizadas principalmente na parte externa da vagina e na ponta do pênis. Essas bolhas podem arder e causam coceira intensa. Ao se coçar, a pessoa pode romper a bolha, causando uma ferida.
  • Linfogranuloma venéreo: caracteriza-se pelo aparecimento de uma lesão genital de curta duração (de três a cinco dias), que se apresenta como uma ferida ou como uma elevação da pele. Após a cura da lesão primária, surge um inchaço doloroso dos gânglios de uma das virilhas. Se esse inchaço não for tratado adequadamente, evolui para o rompimento espontâneo e formação de feridas que drenam pus.
  • Sífilis: manifesta-se inicialmente como uma pequena ferida nos órgãos sexuais (cancro duro) e com ínguas (caroços) nas virilhas. A ferida e as ínguas não doem, não coçam, não ardem e não apresentam pus. Após certo tempo, a ferida desaparece sem deixar cicatriz, dando à pessoa a falsa impressão de estar curada. Se a doença não for tratada, continua a avançar no organismo, surgindo manchas em várias partes do corpo (inclusive nas palmas das mãos e solas dos pés), queda de cabelos, cegueira, doença do coração, paralisias.
  • Tricomoníase: os sintomas são, principalmente, corrimento amarelo-esverdeado, com mau cheiro, dor durante o ato sexual, ardor, dificuldade para urinar e coceira nos órgãos sexuais. Na mulher, a doença pode também se localizar em partes internas do corpo, como o colo do útero. A maioria dos homens não apresenta sintomas. Quando isso ocorre, consiste em uma irritação na ponta do pênis.

Publicado em 11/12/2012 | Blog Careplus

Como combater a insônia

Assim como respirar, dormir também é natural e um sono tranquilo é o desejo de muita gente. Algumas pesquisas afirmam que 42% da população mundial reclama da qualidade do sono. O tempo necessário para uma boa noite de sono varia de pessoa para pessoa. Apesar da maioria das pessoas se sentir mais disposta depois de dormir por sete ou oito horas, não existe uma regra. Por exemplo, se alguém dorme por menos de sete horas e isso não afeta seu organismo, não há problema algum, o que importa é a qualidade.

A insônia se caracteriza por uma incapacidade em conciliar o sono do qual pode trazer riscos físicos e psíquicos, afetando o humor, o sistema imunológico e prejudica a coordenação motora. Os principais fatores são as mudanças de situação social, algum choque emocional e as preocupações do cotidiano que levam à ansiedade, aumentando a produção de adrenalina.

Algumas mudanças no estilo de vida podem ajudar a combater a insônia:

  • Faça atividades físicas. Sair para caminhar, correr, ir à academia ou fazer atividades domésticas por cerca de 30 minutos de duração até cinco horas antes de dormir ajuda. É nesse período que o metabolismo e a temperatura tendem a cair e você fica mais relaxado e se sente mais sonolento.
  • Crie uma rotina. Determine um horário para dormir e acordar. Esta medida auxilia no funcionamento do relógio biológico, assim o corpo cria regularidade e conforme o tempo reconhece o momento exato de se deitar.
  • Relaxe. Antes de dormir, nada de conturbações! Ouvir uma música calma, fazer respirações do yoga e outras técnicas de relaxamento são ótimas para o corpo entender que aquele é o momento de descansar. Uma dica: encerre seu dia duas horas antes de dormir. Às vezes as preocupações do dia-a-dia atrapalham um sono tranquilo. Então, além do corpo, descanse a mente.
  • Cuide da alimentação. Procure não ingerir alimentos com teores alcoólicos ou com cafeína antes de dormir, pois isso prejudica a qualidade do sono. Como não se pode dormir em jejum, consuma algo leve como sopas ou até mesmo chá de camomila, que é ótimo para acalmar.
  • Você sabe o que impede seu sono?Às vezes uma televisão ou rádio ligados em outro cômodo atrapalham. Dormir próximo a uma rua barulhenta também pode interferir ou talvez alguma ansiedade externa. Entender sua insônia é um ótimo meio antes de apelar para medicamentos logo em primeira instância, que também podem não ajudar se as interferências persistirem.
  • Ilumine-se! Durante o dia, abra portas e janelas, saia à rua, tome aquele sol da manhã. Essas ações estimulam o centro de alerta do cérebro, fazendo com que o corpo consiga diferenciar o dia e a noite. Não adianta acender todas as luzes de casa e mantê-la fechada, isso não traz o mesmo efeito.
  • Medicamentos? Só em último caso e com orientação médica. Hoje em dia existem remédios contra a insônia que não causam dependência. Utilize-os quando perceber que terá problemas para dormir. Do contrário, apele para as dicas anteriores e tenha uma vida mais saudável!

Publicado em 10/12/2012 | Blog Careplus

Riscos de intoxicação alimentar aumentam no verão. Previna-se!

Intoxicação alimentar e outras infecções que levam à diarreia aguda são causados pela ingestão de alimentos contaminados com micróbios que se multiplicam, tornando-se toxinas e fazendo com que os alimentos se transformem em venenos perigosos à saúde. Por isso, deixar as preocupações de lado nessa época do ano não é tão interessante. É necessário prestar atenção especial ao tratamento da água e à conservação dos alimentos ingeridos, porque em um ambiente lotado como uma praia cheia de banhistas é provável que não haja higiene suficiente nos estabelecimentos, o que sugere um paraíso para a proliferação de vírus e bactérias.

Os sintomas mais comuns das doenças de verão são diarreias, náuseas, vômitos, cólicas abdominais e febre, durando cerca de três dias. Em alguns casos estes microrganismos causam sintomas mais graves, como distúrbios neurológicos, renais, hepáticos, alérgicos, septicemia, levando até a morte. Como, por exemplo, vegetais e carnes conservados de maneira inadequada ou manuseados sem higiene, pois podem gerar o Botulismo formado pela bactéria Clostridium botulinum, uma doença que causa insuficiência respiratória e, se não tratada corretamente, pode ser fatal.

De fato, o próprio calor faz com que os alimentos estraguem com mais facilidade, levando nosso organismo a sofrer danos causados pelas bactérias. A falta de cuidado com a limpeza das mãos e dos utensílios na preparação de comidas e manter os alimentos por muito tempo fora da geladeira ou expostos próximos à areia são as principais fontes de doenças. Levando em consideração que duas horas depois de preparada, bactérias e outras toxinas desenvolvem-se nos alimentos. Detalhe: no calor elas tendem a se proliferar com mais rapidez.

Ainda dá tempo de se prevenir das doenças neste verão, veja as dicas:

  • Lave os utensílios a serem utilizados no preparado de alimentos e a superfície da pia cada vez que for usada. Muito cuidado com itens de madeira como colher de pau ou tábuas de carne. Após o uso, lave-os bem com água e sabão e evite guardá-los ainda úmidos. De preferência, não os utilize caso haja rachaduras, porque dificulta a higienização;
  • Sempre lave latinhas de cerveja e refrigerante com água e sabão;
  • Confira se a procedência dos alimentos é segura, evitando petiscos de ambulantes e de barracas sem higiene adequada. Leve alguns alimentos de casa para fazer seu lanchinho de maneira segura;
  • Não deixe alimentos preparados fora da geladeira por mais de duas horas. Reaqueça-os toda vez que for ingerido;
  • A quantidade excessiva de alimentos e bebidas na geladeira impede a circulação de ar refrigerado. Evite enchê-la demais e prefira recipientes de vidro ou cerâmica, para guardar sobras de alimentos ou então potes de plástico, desde que não estejam danificados ou com ranhuras, que impedem a higienização, aumentando o risco de desenvolvimento de bactérias ou mofos.

Para que o verão seja bem aproveitado e sem riscos à saúde, tome água à vontade e durante as viagens, procure levar alimentos e líquidos de casa ou vá a locais confiáveis. Prefira alimentos mais leves. Purê de batata, arroz, legumes bem cozidos e sopas sem gordura são ótimos para a boa disposição e simples na hora de preparar. Previna-se e viva muito bem a melhor época do ano!


Publicado em 04/12/2012 | Blog Careplus

Ser gentil e educado faz diferença

Boas ações fazem bem à saúde. Ceder lugar para um idoso na fila ou dizer um simples “obrigado” são atitudes sublimes que contribuem para a humanização da sociedade. Compreender uma cultura e procurar entender o ponto de vista do outro são atributos que favorecem diversas vantagens, facilitando negociações e melhorando relacionamentos.

É comprovado que pessoas solidárias têm menos risco de sofrer problemas crônicos, porque existe uma relação entre o bem-estar e a saúde dos seres humanos. Em contra partida, nosso sistema cardiovascular e imunológico são afetados quando nos sentimos zangados, rancorosos ou amedrontados.

Para se tornar uma pessoa mais gentil e educada é necessário muita paciência e respeito ao próximo, aceitando atitudes de outras pessoas, compreendendo que nem todos vivem de acordo com nossos valores. Não podemos obrigar uma pessoa a se interessar pelo bem-estar de outra. Gentileza e educação são características relacionadas ao caráter e à ética e não podem ser consideradas moedas de troca. No entanto, você pode fazer a diferença agindo conforme a sua verdade e seus valores a fim de tornar-se um exemplo para muitos quanto às boas maneiras.

Veja nossas 10 dicas para exercitar a gentileza e a educação em seu cotidiano:

  1. Coloque-se no lugar do outro. Essa ação ajuda a compreender as pessoas, seu modo de pensar e agir diante de uma situação.
  2. Ouvir é importante para solucionar qualquer problema.
  3. Tenha paciência. “A paciência é uma virtude”. Um dito popular antigo, mas que é real e necessário para evitar julgamentos e conclusões precipitadas.
  4. Desculpe-se. Desculpar-se é o melhor remédio para evitar violência e salvar relacionamentos.
  5. Pense de maneira positiva. Veja o lado positivo das situações, valorize o que o outro tem de bom e observe que existem atitudes que podem ser aceitas, mesmo que não seja condizente com seus valores.
  6. Respeite as diferença. Aprenda a conviver com quem pensa ou age de forma diferente com a qual você está acostumado. As diferenças são grandes riquezas.
  7. Seja solidário. Demonstre interesse pelo próximo, seja companheiro, saiba compreender os sentimentos dos outros e sua realidade.
  8. Analise situações. Muitas vezes solucionar um ponto negativo requer que pensemos na raiz do problema. Saiba conseguir esta visão de forma pacífica, você verá como será enriquecedor para ambas as partes.
  9. Seja justo. Saiba identificar o erro de maneira assertiva e não encare as desavenças como jogos de perde e ganha. Admitir um erro ou lutar pelo que está realmente certo fortalece seus valores e evidencia sua verdade.

Não leve a vida tão a sério. Às vezes um problema ou uma situação não resolvida da forma que esperávamos tem seu resultado positivo. Saiba encontrá-lo. Isso nos torna mais confiantes e íntimos com nós mesmos.


Publicado em 27/11/2012 | Blog Careplus

Os perigos da obesidade

Cuidar do corpo não é apenas uma questão de estética, mas principalmente de saúde. A obesidade é causada pelo consumo de energia maior do que o organismo suporta para fazer sua manutenção diária. É uma doença que se caracteriza pelo aumento de gordura corporal, levando a diversas patologias, inclusive à morte precoce.

No Brasil, cerca de 10 milhões de pessoas de diversas idades e classes sociais são consideradas obesas de acordo com a Comissão de Prevenção e Tratamento da Obesidade criada pela AMB (Associação Médica Brasileira). Na maioria, suas causas são hereditárias e alimentares, pelo paciente comer demasiadamente mal e não praticar exercícios. Outros fatores são os casos neurogênicos, termogênicos e endócrinos.

É relevante observar a distribuição da gordura corporal também. A obesidade mais grave é a do tipo visceral, relacionada com o acúmulo de gordura da região abdominal, associada às alterações cardiovasculares. As principais doenças geradas pela obesidade são hipertensão, diabetes, lesões de ossos e articulações, dificuldades respiratórias, apneia do sono, infarto, varizes e úlceras. No entanto, o principal desconforto são os problemas emocionais, dos quais geram a depressão, o isolamento e o sentimento de culpa.

Acreditar que apenas medicamentos podem salvar sua pele é utopia. Eles auxiliam de maneira temporária e boa parte das substâncias causam insônia, aumento da pressão sanguínea e batimento cardíaco acelerado. Por isso, é importante aliar os tratamentos medicinais com um estilo de vida mais saudável, controlando a ingestão de calorias e praticando atividade física regularmente. Siga as dicas abaixo e adicione saúde à sua rotina:

  • Coma seis vezes ao dia e não pule as refeições principais como o café da manhã, por exemplo, que é muito importante. Isso ajudará a ter menos apetite nas refeições principais.
  • Dê preferência aos produtos lácteos desnatados e, se a sobremesa for do tipo industrializado, opte pelo light.
  • Como não dá para largar de vez os biscoitos, lanches, bolos e sorvetes, não inclua na dieta, mas consumir eventualmente e em pouca quantidade está na medida. Só não abuse!
  • Elimine as guloseimas super açucaradas e os refrigerantes. Beba muita água e sucos naturais sem açúcar.
  • Diariamente você deve ingerir pelo menos duas porções de verduras e três de frutas, além de cereais e pão integral. Assim, você incorpora vitaminas, minerais e fibras na sua alimentação.
  • Bebidas alcoólicas têm muitas calorias e são bastante tóxicas para o organismo. Então não abuse.

Faça atividades aeróbicas diariamente. Pelo menos 30 minutos de caminhada. Andar de bicicleta ou optar por uma academia também ajuda bastante. Sem contar que a atividade física libera a endorfina, um neurotransmissor que resulta no prazer e bem-estar, aumentando a disposição física e mental.


Publicado em 26/11/2012 | Blog Careplus

A oftalmologia e a saúde dos olhos

Para entender como funciona o olho humano, podemos fazer um paralelo com uma máquina fotográfica, pois a mecânica é a mesma. Quando olhamos na direção de um objeto, a imagem atravessa a córnea e chega à íris, que regula a quantidade de luz recebida por meio da pupila. Quanto maior a pupila, mais luz entra no olho. Passada pela pupila, a imagem chega ao cristalino e é focada sobre a retina. A lente do olho produz uma imagem invertida e o cérebro a converte para a posição correta. Na retina, mais de cem milhões de células fotorreceptoras transformam as ondas luminosas em impulsos eletroquímicos, que são decodificados pelo cérebro.

Do grego ophthalmós (olho) + logos (estudo), oftalmologia é o estudo do olho. Este ramo da medicina investiga, diagnostica e trata as doenças relacionadas com os olhos, identificando e corrigindo erros de refração apresentado por este órgão. A visão é um dos principais sentidos, sendo fundamental para nos relacionar, locomover e exercer individualidade. Por ser um órgão sensível e em constante mutação, é importante a consulta com um oftalmologista e estar atento à saúde ocular em cada fase das nossas vidas.

Os bebês, por exemplo, enxergam pouco e a visão se desenvolve gradativamente até os seis anos, sendo ideal que o primeiro exame ocorra ainda na maternidade e o segundo por volta do quarto mês de vida, do qual o médico determina a necessidade de uma nova visita. No caso das crianças, os pais devem prestar atenção caso demonstrem alguns sintomas, como dor de cabeça após esforço visual, franzir da testa ao olhar para longe, posicionar livros ou cadernos muito próximos no momento da leitura, ou sentar-se muito próximo à TV ou ao computador.

Assim como qualquer parte do corpo, nossos olhos envelhecem com o passar do tempo. A partir dos 40, as consultas periódicas se tornam necessárias numa média de uma a cada dois anos para garantir um diagnóstico precoce de danos futuros. Já na terceira idade é que os principais problemas oculares surgem ou se intensificam, dificultando atividades do cotidiano e interferindo na independência. Nesta fase, é preciso manter uma alimentação equilibrada, praticar exercícios, controlar o peso, evitar o fumo e o abuso de bebidas alcoólicas, além de ter o acompanhamento regular de um oftalmologista, pelo menos uma vez ao ano.

Algumas medidas que garantem uma vida saudável para os seus olhos é ter um bom sono, boa alimentação, não fumar, evitar o estresse, se proteger do sol e uma dieta balanceada com amplas vitaminas e minerais que protegem contra danos oxidativos e mantém a função do nervo óptico.

Abaixo seguem algumas dicas para evitar acidentes oculares:

  • Lavar as mãos após brincar com animais, pois as fezes de alguns animais podem transmitir toxoplasmose, que causa inflamação nos olhos;
  • Use óculos de proteção ao praticar esportes aquáticos. Os germes e os produtos químicos presentes na água causam irritações;
  • Em casos de queimaduras térmicas, lavar os olhos com água corrente e procurar um oftalmologista urgentemente. O mesmo ocorre com queimaduras químicas. Neste caso, lavar com água abundante por cerca de 20 minutos;

No caso do uso de colírios, não divida seu frasco com ninguém. Cada um deve ter o seu. E se foi prescrito mais de um medicamento, mantenha um intervalo de no mínimo 15 minutos entre um e outro.


Publicado em 20/11/2012 | Blog Careplus

Dicas para tentar acabar com o tabagismo

Todos nós conhecemos os riscos que o cigarro causa no corpo humano. São os maiores causadores do câncer no pulmão, doenças cardíacas, contusões em atividades físicas, derrame, entre outras doenças. Entretanto, mesmo assim muitos tendem a acender um cigarro no momento de estresse, porque a nicotina libera o prazer que eles procuram. A média deste prazer obtido pelo cigarro dura cerca de uma hora, por isso a constância no ato de fumar.

Alguns percebem o mal que estão causando ao próprio organismo e tentam parar, mas quantas vezes os fumantes já resistiram ao vício de fumar? Deixar de fumar não é fácil e se você já cogitou esta hipótese, nós disponibilizamos algumas dicas fundamentais. E lembre-se: parar de fumar exige imensa força de vontade própria e motivação para alcançar seu objetivo com sucesso.

  • Planeje-se. O fumo é um vício e parar com ele não é brincadeira e o fumante precisa estar preparado com um sistema de apoio. Uma sugestão é escrever o que deseja fazer quando a vontade de fumar aparecer e manter esta meta em um lugar visível, assim quando pensar em acender o primeiro cigarro, saberá com rapidez o que fazer.
  • Aponte suas motivações. Por qual motivo você deseja parar de fumar? Seja pela saúde, pela família, pelo namorado ou para poupar dinheiro, faça uma lista com as razões pelas quais você optou parar de fumar. Pense nelas na hora que a vontade bater, porque estas serão suas motivações.
  • Crie um sistema de recompensas. Você já contabilizou quanto você gasta com cigarro no mês? Uma pessoa que fuma um maço por dia, gasta em média cento e cinquenta reais por mês só com cigarro. Faça as contas e gaste esta grana com um passeio ou mesmo comprando livros, DVDs e alguns presentinhos para si mesmo.
  • Desvie o pensamento. Quando o desejo de fumar for grande, não ceda, espere e faça o seguinte: inspire e expire 10 vezes, beba um copo de água, coma alguma coisa que lhe dê prazer, telefone à pessoa que mais o tem apoiado nesta fase, dê uma caminhada. Faça o que tiver de fazer, mas não se entregue. Esse desejo vai desaparecer mais cedo ou mais tarde.
  • Substitua hábitos negativos por positivos. O que faz quando está estressado? Acender um cigarro claro! Pois é, você vai ter de arranjar uma nova forma de reagir ao estresse e de preencher os momentos em que acendia um cigarro. Meditar, respirar profundamente, ouvir música, fazer exercícios.
  • Pense positivo. Todos sabem que os primeiros dois dias para quem está parando de fumar são os mais difíceis. Se você conseguiu, sinta-se feliz! A fase de “ressaca da nicotina” foi ultrapassada e agora você vai trabalhar o mais difícil: a força de vontade mental. Depois desta fase os desejos tenderão a ser menos frequentes, mas nem por isso você deve ceder com facilidade aos desejos de acender um cigarro.
  • Resistiu ao desejo? Sem problema, volte ao começo! Todos nós fracassamos um dia e deixar de ceder a um vício de anos realmente é difícil. Não se sinta mal por ter acendido um cigarro em um período de muito estresse, mas tenham em mente suas motivações e volte a trabalhar a sua mente desde o começo novamente. Não tenha vergonha de sua fraqueza. O cigarro é um vício e parar de uma hora para outra é realmente uma tarefa árdua, porém não impossível.

Publicado em 19/11/2012 | Blog Careplus

Analgésicos em excesso podem trazer problemas de saúde

Os analgésicos são ótimos aliados contra aquela dor de cabeça ou dores musculares, mas se administrados em excesso podem trazer problemas de saúde, pois esses medicamentos inibem a ação das enzimas ciclooxigenases (COX) e diminuem a produção de substâncias conhecidas como prostalglandinas, que causam a dor, ou seja, os analgésicos bloqueiam os receptores de dor. Levando em consideração que a dor é um estímulo que serve para nós deixarmos de fazer algo que prejudica nosso corpo, essa sensação é mascarada sem que haja um diagnóstico médico preciso.

Mas por que os analgésicos existem se não podemos tomar? Claro que pode ser tomado, mas sem abuso. Mesmo porque a automedicação frequente de analgésicos pode causar intensas dores de cabeça, gerando um estado de dependência pelo paciente ceder a um “círculo vicioso” de alívio da dor que acaba trazendo mais dor.

Existem diferentes tipos de analgésicos. Os simples como o Paracetamol e a Dipirona, os anti-inflamatórios como Diclofenato e os relaxantes musculares que são associados à cafeína. No caso dos anti-inflamatórios a situação é mais complexa, deve-se tomar cuidado com seu uso abusivo e em pacientes com mais de 60 anos por conta dos efeitos colaterais graves como sangramento no estômago e lesão renal. No geral, em longo prazo os anti-inflamatórios causam úlceras ou gastrite hemorrádica, piora da função cardíaca e inflamação do intestino em pacientes com predisposição ao problema.

É bom lembrar que antes de tomar qualquer remédio, você deve procurar um médico ou tirar suas dúvidas. Pensando nisso, alguns médicos recomendam acupuntura para pessoas com predisposição a enxaquecas e dores de cabeça tensionais. Analgésicos aliviam a dor temporariamente, porém não vão tratar a causa do problema e, por ventura, estará disfarçando sintomas e contribuindo para a gravidade de outras doenças.


Publicado em 13/11/2012 | Blog Careplus

A influência das emoções na saúde e bem-estar

Emoções são impulsos neurais que nos movem para uma determinada ação e também denotam experiências subjetivas associadas ao estado físico e à motivação. A influência dos nossos sentimentos sobre nossa saúde tem sido comprovada cientificamente com muito mais evidência.

As emoções são fundamentais na manutenção da saúde ou surgimento da doença. Sensações negativas como frustração e ódio tendem a ser nocivas ao organismo, abrindo caminho para depressão, desânimo e desmotivação, das quais estão ligadas ao surgimento de algumas doenças. Por exemplo, quando estamos com raiva, a pressão aumenta e o sangue corre mais rápido, sendo mais propício à hipertensão e outros males causados por estes sintomas.

Em contrapartida, sensações positivas como felicidade e otimismo são as principais armas contra diversas enfermidades. E o reflexo da emoção na saúde do ser humano é tão vital que foi criado o termo “PsicoNeuroImunologia”, definindo o estudo sobre a relação entre sistema nervoso, funções orgânicas do nosso corpo e emoções.

Somos integrados, nossas células são influenciadas pelo que sentimos, por isso não podemos separar a estímulos mentais do sistema imunológico. Abaixo sugerimos algumas dicas para trabalhar as boas sensações:

  • Se dê ao luxo de ter prazer. Dance, ouça uma boa música e converse com amigos. O consumo de chocolate também ajuda o aumento de prazer, estimulando a produção de endorfina, assim como os exercícios físicos e uma boa corrida.
  • Desenvolva um novo talento. É comprovado que trabalhar a concentração reduz em 50% o risco de morte e simultaneamente melhora o sistema imunológico. Aprenda um novo idioma, um novo instrumento musical ou faça aulas de artesanatos. Estar absorvido pelo o que faz trabalha a concentração e ativa o córtex pré-frontal esquerdo, gerando a sensação de bem-estar e perda da noção do tempo.
  • Participe ativamente na vida. Seja consciente que sua vida tem grande importância. Seja altruísta, estudos mostram que um ato de bondade melhora a imunidade em até dois meses. Motive-se a criar algo novo que sobreviva a você.

Publicado em 12/11/2012 | Blog Careplus

Cuidados para evitar a insolação

O verão está chegando e muitos almejam pegar um bronzeado super bonito, às vezes deixando a pele desprotegida. É aí que aparece aquela dor de cabeça inocente causada pela exposição excessiva ao sol escaldante. Tome cuidado! Este estado pode ser derivado de uma desidratação e é de fato um dos principais sintomas da insolação.

Tudo começa com as queimaduras na pele causadas pela destruição das células, abrindo caminho ao suor excessivo, à temperatura corporal excessivamente alta (acima dos 39,5°C) e à pele avermelhada, quente e seca. Em casos nos quais os sintomas evoluem para vertigem, náusea, vômito intenso e confusão mental, a vítima deve ser levada urgentemente a um hospital mais próximo, pois a perda de consciência é brutal, afetando mais gravemente crianças e idosos devido à menor capacidade de adaptação às condições extremas de temperatura.

Para evitar que seu lazer acabe cozido pelo astro-rei, evite tomar sol entre 10h e 16h (11h e 17h de acordo com o horário de verão), coma muita fruta e salada, opte pelas roupas de malha que são leves e de cores claras para espantar o calor e beba bastante água. No verão, aproximadamente três litros de água por dia é ótimo para a hidratação da pele e todo o restante do corpo. E caso sinta os primeiros sinais da insolação, procure uma sombra, tome água fresca e refresque o corpo no mar ou numa ducha fria.

É engano pensar que sair desprotegido em dias nublados não há problema. Tem sim! Por exemplo, em dias nublados o nível da radiação chega a 70% do normal. Os mormaços são os piores, porque não sentimos o desconforto do calor intenso. E finalmente quando percebemos os sintomas já estão evidentes, levando à vertigem e confusão mental.

Não deixa a insolação estragar suas férias. O cuidado com o sol deve ser diário, no entanto mais vigoroso durante o verão. Afinal de contas, ter um bom bronzeado é maravilhoso e manter a saúde é melhor ainda!


Publicado em 05/11/2012 | Blog Careplus

Os malefícios do sal em excesso

O sal, um dos temperos mais consumidos no mundo, é responsável pelo equilíbrio de nossas células e transmissão dos impulsos nervosos. Mas não se engane por seus benefícios, pois o consumo do sódio em excesso pode acarretar diversos problemas de saúde como hipertensão, doenças cardiovasculares, derrame cerebral, osteoporose, câncer no estômago, catarata, cefaleia, delírio, parada respiratória, hipertensão, eritema da pele e mais diversas outras doenças.

Procurando alertar sobre tais malefícios, a Organização Mundial de Saúde – OMS recomenda a ingestão de apenas 2g de sódio ao dia, o que equivale a uma colher de chá. O principal erro é que grande parte das pessoas acaba consumindo mais do que isso.

Mas apesar dos problemas, é preciso entender que o sal não pode ser cortado totalmente da dieta e sim utilizado com moderação, já que a falta de sódio no organismo também faz mal a saúde e gera letargia, fraqueza e convulsões.

A dificuldade em controlar o consumo se deve ao fato de que grande parte dos alimentos industrializados possui quantidade considerável de sal em sua composição como pães, produtos congelados e bolachas, por exemplo. Uma alternativa para manter uma alimentação saudável é usufruir alimentos naturais, porque assim se supri a cota necessária de sal para manter o bom funcionamento do organismo.

Abaixo podemos ver uma lista com o teor de sódio de determinados alimentos, para auxiliar a manutenção de uma alimentação saudável:

Alimentos com alto teor de sódio (mais de 1000 mg / 100 g)*

  • Azeitona preta em conserva – 1567 mg
  • Azeitona verde em conserva – 1347 mg
  • Bacalhau salgado cru – 13585 mg
  • Fermento em pó químico – 10052 mg
  • Linguiça de frango crua – 1126 mg
  • Linguiça de porco crua – 1176 mg
  • Macarrão instantâneo – 1516 mg
  • Queijo parmesão – 1844 mg
  • Sal grosso – 39943 mg
  • Shoyo – 5024 mg
  • Tablete de caldo de carne – 22180 mg
  • Tablete de caldo de galinha – 22300 mg

Alimentos com teor de sódio moderado (menos de 1000 mg /100 g)*

  • Almôndegas de carne bovina crua – 621 mg
  • Amêndoa torrada e salgada – 279 mg
  • Atum em conserva – 362 mg
  • Batata chips industrializada – 607 mg
  • Biscoito maisena – 352 mg
  • Biscoito recheado com chocolate – 239 mg
  • Biscoito recheado com morango – 230 mg
  • Biscoito do tipo cream cracker – 854 mg
  • Camarão cru – 201 mg
  • Coxinha de frango frita – 532 mg
  • Ervilha enlatada – 372 mg
  • Extrato de tomate – 498 mg
  • Farinha de rosca – 333 mg
  • Flocos de milho com sal – 272 mg
  • Gelatina – 235 mg
  • Leite de vaca desnatado (pó) – 432 mg
  • Leite de vaca desnatado (pó) – 432 mg
  • Maionese industrializada – 787 mg
  • Manteiga com sal – 579 mg
  • Margarina com sal – 894 mg
  • Milho verde enlatado – 260 mg
  • Molho de tomate industrializado – 418 mg
  • Palmito em conserva – 514 mg
  • Pão de queijo – 773 mg
  • Requeijão – 558 mg
  • Sardinha em conserva – 666 mg
  • Seleta de legumes enlatada – 398 mg
Anúncios