If it’s not love, then it’s the bomb

Não, ela jamais gostou tanto daquele bonitinho da sala de vidro ou do cara estranho que tocava um instrumento legal. Nem mesmo está falando sobre o cara que se tornou o melhor amigo.

Enfim, ela conseguiu “desgostar” aquele cara estranho com aspectos físicos que jamais chamariam a atenção daquela garota. O que mais atraía seu olhar era a maneira inocente com a qual ele encarava o dia-a-dia. Aquele interesse imenso em coisas pequenas e um imenso desprezo pelos detalhes. Sua praticidade! Era isso que ela gostava. E apesar daquela aparência gigantesca da qual ela tinha repulsa, o atributo carinhoso quebrava tal paradigma imposto por ela mesma. Sim, ela gostava mesmo dele. Ele fingiu ser seu namorado para ajudá-la. Ele a abraçou. Ela o abraçou. O que ela mais gostava naquele cara era a ironia e a frieza que ele tinha com os sentimentos dela. Ele riu quando ela chorou e isso a fez rir também.

Ela omitiu sua verdadeira paixão atribuindo seus olhos brilhantes e sua taquicardia ao bonitinho da sala de vidro para não admitir aquilo que nunca sentiu. Fugiu. E retornou apenas para dizer adeus. Ela está livre!

Anúncios

Um comentário sobre “If it’s not love, then it’s the bomb

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s