Desce daí, seu povo! Desce daí!

Era quatro e quarenta e três da manhã. Lá estávamos nós dois voltando dos nossos poucos dias de férias, em pé na estação da Sé. A demora e o sono me fizeram embarcar antes do metrô chegar. O estopim não foi o sono, mas a trilha sonora criada pelo moço de camiseta verde limão. Havia…

Não só por mim

Não tenho depressão, nem nunca tive. E nem quero ter. Não só por mim. Porque muitos dos que me rodeiam já tiveram e eu não quero estar nessa condição. Na adolescência tive umas crises das quais me fizeram tomar goles de um perfume velho pra ver o que acontecia. A vontade de morrer era tamanha,…

Por que chorei com a morte de Belchior?

Era abril. Acordei e, como qualquer maioria atual, olhei o celular. Vinte e poucas notificações de mensagens no grupo da família. Estranho. Entrei. Belchior morreu! Belchior não era um entre querido, não era um amigo ou nem mesmo sabia da minha existência. Ele não sabia que minha infância foi trilhada por suas músicas. Ele não…

Uma surra do universo

  Às vezes a gente só precisa ser desafiada para perder aquela casca de insegurança. Esses dias de ócio estava assistindo a uma youtuber que se dizia insegura e falava sobre sua ansiedade. O vídeo tinha seus nove minutos e sua voz era irritante o bastante para que eu não aguentasse ouvir mais do que…

Perto e longe

Fiz minha oração e disse que ia dormir. Não fui. Fiquei ali deitada em meio a tudo o que é dele. Hoje ele não dormiria comigo. Bateu saudade. Namoro à distância tem dessas, temos saudade de detalhes. Saudade do cheiro, saudade do toque, saudade do arzinho que sai da voz, saudade do brilho do olhar…

Doc: O Sal da Terra (isto não é um review)

Se você acha que este será um review sobre o documentário O Sal da Terra. Fique à vontade para ler, mas já aviso: isto não é um review. Hoje estava uma tarde nublada, quando o ócio me atacou. Tinha coisas para fazer? Sim. Estava com dois podcasts para editar, alguns reviews para fazer, mas hoje…

ele e eu… ali

lá estávamos, ele sentado numa cadeira giratória em cima de um tapete daqueles que imitam persa e fazem um carinho gostoso no pé descalço. eu, sentada num banco alto que me fazia arcar as costas um pouquinho para me apoiar na bancada branca com uns Respingos de molho da macarronada do jantar. tá confortável? arrumei a postura. sim! naquele…

Coisas de mãe: Utilidade Pública

Acho que a partir do momento que você faz um exame de sangue ou faz xixi num termômetro de hCG e ambos geram um resultado positivo para a gravidez, além da consequência lógica dos fatos, durante nove meses a mulher deve receber constantes vibrações de curandeiros divinos, porque ó… Acordo hoje cedo, olho para o lado…

Enfim, cheguei à quinta fase

Insônia. Não, hoje não é por conta do trabalho exacerbado ou uma série na Netflix. Apenar neurônios se conectando tão freneticamente que posso sentir cada choque. Me sinto viva. Bem o bastante para fazer uma retrospectiva sentimental desses últimos trezentos e sessenta e cinco dias. Naquele dia não chorei. Ela me veio gritando no portão…

Ah, o sistema límbico!

Trezentos e noventa e nove dias em silêncio. Quando seu neurônio é bombardeado por estímulos emocionais, fica difícil pensar. Não sei lidar com sentimentos e a única coisa que me sobrou depois daquele Abril foram as sensações e eu me entreguei a este desconhecido labirinto emocional. Cheguei ao final. Preciso voltar. Dois mil e quinze…

Silêncio oportuno

Às vezes canso de ser e me deixo não ser. Mesmo sendo. Sou telespectadora, sou coadjuvante, sou protagonista. Me deixo ser. Não sou roteirista. Não sou boa com escrita e diálogos eloquentes. Não sei se é ou não é. Mas está sendo. Mesmo não sendo.

26 minutos

Oito e trinta e quatro. Uma garota passa por mim. Não sei se é vizinha, se é da redondeza, ou não passava de uma garota que passava por mim. Tranquei o portão. Solto o cachorro ou o deixo preso? Ele não latiu tanto. Deixo preso. Achei que fosse chover, mas só estava nublado. O farol do trilho esquerdo…